Gashuku de Final de Ano - 2013

Gashuku de Final de ano

Dezembro de 2013 na Serra da Cantareira Palavras dos Alunos

imgcentral

fiquei muito feliz por participar de mais um Gashuku, e este foi muito especial para mim, de quebrar o medo por ter ido sozinho e chegar no Gashuku, eu fui muito bem acolhido por todos, desde a entrada no Templo e quardar os materias tudo organizados e todos muitos educados e a chegada na Serra, cada vez mais encantado com tudo que estava acontecendo, fazendo treinamento em meio da Serra , e o lual que mesmo eu estando fresfriado eu me senti muito bem ali em volta da fogueira com os companheiros de espada conversando e aprendendo mais com os Senpais... e no audio visual o rapaz que fez Shuguio na peixaria ...muito valido para por em pratica em nossas vidas no dia-dia ...igual Sensei falou: Não adianta ficarmos anotando tudo...temos que por em pratica em nosso corpo....
Fiquei tão feliz de ir ao Gashuku que todos os dias faço algum comentário com a Aline e ela me falou

​"gostou mesmo de ter ido...não para mais de falar..."​
Shitsurei shuimassu Senpai
Arigato gozaimashita

Prado

"Shitsureishimasu!


Vivemos belos e inesquecíveis momentos de descontração.
E num lugar mágico, que é a Serra da Cantareira.
Com certeza o maior e mais expressivo evento do gênero.
O já top “Talentos do Niten”, excelente! E a cada ano mais sofisticado, me emocionou!
A música, canto, dança mágica. Enfim, tudo mexendo sutilmente com nossas
emoções e sentimentos.

Um LUAL esplendido, em torno de uma fogueira. Uma reverência, onde se devolvia à
natureza o que é da natureza, queimando feixes de shinai e bokutos estragados.

A fogueira em si com seus mistérios nos remetendo a épocas bem distantes ...
E nos permitindo um expressivo mergulho interior.

Foram momentos de se guardar no Coração!

E Sensei havia avisado ...
(parece que ainda ouço: “não faltem! vocês não podem perder”).
Arigatou Sensei.


A mensagem do áudio visual, traduzida pelo Sensei, sobre a construção de uma pessoa
(personalidade), lenta e gradativamente.
Pacientemente e com determinação, visando um ser evoluído e completo.
Construindo vigorosamente a personalidade, com uma base sólida, difícil de contaminar,
onde o que se precisa é uma enorme força de vontade. O querer.
Diàriamente, em cada treino isso nos é ofertado. Basta vê-lo e querer segui-lo.

Domo arigatou gozaimashita, Sensei
Unidade Rio de Janeiro"

Impieri Francesco



"A serra da Cantareira, mais uma vez, fez-se palco do último gashuku do ano. Saímos do fervor e do caos da cidade grande e em alguns quilômetros trocamos o ruído dos carros pelo canto dos pássaros, e a paisagem desenhou-se com o contorno das árvores. O calor do fim da primavera, em meio a esse ambiente bucólico, aqueceu nossos espíritos em mais um processo de forja.

Logo estávamos acompanhados de nossas espadas, abertos para os tantos ensinamentos que estavam por vir. Os treinos do primeiro dia revelaram segredos profundos, principalmente durante o Niten ichi ryu, onde a shinai do Sensei nos mostrou na pele os katas de Musashi Sensei.

Ao fim do dia, sem nossas armas e kimonos, reunimo-nos em meio a alegria e descontração com colegas de todos os cantos do Brasil. A inocência e arrojo das crianças deram partida nas apresentação dos talentosos samurais, que surpreenderam com suas performances. Selando a noite, adentramos no parque para devolvermos à natureza nossas armas quebradas através do fogo de uma grande fogueira. A energia depositada naquelas armas misturou-se às chamas e iluminou os rostos contentes, levando esse brilho para o futuro, uma vez que escrevemos nas tiras das shinais os desejos para 2014. Essa foi a imagem que marcou minha mente antes de dormir.

Com o solo da fogueira ainda quente, já estávamos acordando, antes mesmo do espalhar da luz do sol. Iniciamos as atividades com a corrida/caminhada pelo clube. Mais do que em uma atividade física, estávamos em meio a natureza, rodeados pelo ar puro e por uma paisagem maravilhosa. Paramos em um campo para preenchemos a atmosfera com nossas vozes, moldadas com o Hagakure Shiseigan e os hinos do Brasil, Japão e do Niten.

Durante o treino de naginata, juntamo-nos para preparar os makiwara e o objetivo comum contou com o empenho de todos os envolvidos na atividade.

O audiovisual, para mim, guardou as maiores surpresas do final de semana. Perguntava-me como um vídeo que falava sobre fazer sashimi poderia influenciar no caminho da espada. O que assistimos, porém, superou todas as minhas expectativas. Não assistimos a rotina de uma peixaria. Vimos um treinamento com a profundidade digna de samurais. Tamanha profundidade arrancou-nos lágrimas. Como ter o sentimento correto muda todo o processo e os resultados… Enxerguei-me na relação entre o aprendiz, com suas expectativas e frustrações de receber tudo que lhe era proposto, e o mestre que desempenhava com tanta naturalidade o que ao aprendiz se mostrava intransponível, que trazia sempre as palavras precisas e dedicava-se sublime e tenazmente. Cada qual a seu modo, não se sabia se maior satisfação sentia aquele que descobriu ou o que apontou e cultivou o feito.

Por fim, o tameshigiri, para descortinar em verdade os cortes, colocando à prova nossos golpes. A seriedade e a tensão, principalmente quanto ao quesito segurança, era preponderante. Enfrentar se os golpes que fazemos nas lutas e katas realmente possuem poder de corte direciona o treino em uma direção mais profunda. Como um espelho, cada corte que realizei no makiwara foi um corte que fiz em minha própria alma.

Todas essas sensações fazem com que os gashukus e oportunidades de convivermos entre colegas e com o Sensei sejam momentos imperdíveis. Sem dúvidas, o guerreiro que subiu a serra esse final de semana não foi o mesmo que desceu no final.

Domo arigatou gozaimashita Sensei,"


Álvaro Tachibana - Unidade Ana Rosa